/Impacto Social do Uso da Bicicleta no Rio de Janeiro

Impacto Social do Uso da Bicicleta no Rio de Janeiro

O banco Itaú Unibanco patrocinou um estudo de impacto social do uso da bicicleta pela primeira vez no Rio de Janeiro.

Mobilidade Urbana Itaú Unibanco

Objetivo

Estimar o uso da bicicleta no município do Rio de Janeiro em 3 áreas: Meio Ambiente, Saúde e Economia.

Participantes

A pesquisa apresentada,  foi conduzida pelo CEBRAP (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento), realizada a partir de entrevistas domiciliares, com indivíduos de 16 anos ou mais e amostragem em dois grupos destintos: população em geral do município do Rio de Janeiro e ciclistas.

Planejamento Bike Itaú

O intúito é verificar as condições de deslocamento dos cariocas e medir impactos individuais e sociais do uso da bicicleta no meio ambiente, na saúde e na economia.

Sobre o Patrocinador

Antes de apresentar os resultados da pesquisa, a Sra Luciana Nicola, Superintendente de Relações Institucionais, Sustentabilidade e Negócios Inclusivos no Banco Itaú, apresentou alguns dados levantados pela institução e como funciona a plataforma de mobilidade urbana.
Isso muda o Mundo
A Instituição viabiliza projetos de conscientização e fortalecimento da cultura da bicicleta com mais de 15 instituições, associações e veículos especializados em ciclomobilidade. Além disso, cria manuais e campanhas nacionais e municipais para a conscientização da importância do uso da bicicleta.

Dados Bike Itaú
O Rio de Janeiro é a cidade com maior volume no uso de bicicletas compartilhadas dentre as cidades pesquisadas (Nova Iorque, Montreal, Cidade do México e Londres).
Plataforma Mobilidade Urbana Itaú
O Itaú Unibanco deixa claro que não cria, apenas entende que ouvindo cicloativistas articulando com o Governo é possível contribuir para mudança de políticas públicas.

População

Perfil da População

Infelizmente, após a pesquisa, foi constatado que apenas 3% das viagens realizadas cotidianamente na cidade são realizadas por bicicletas e apenas 3,4% da população utiliza a bicicleta como meio de transporte ao longo da semana.
Dados oficiais relatam que a cidade possua mais de 400km de infraestrutura cicloviária e sistemas de bicicleta compartilhada, ainda carece de políticas voltadas para o incentivo do ciclismo urbano.

Meio Ambiente

Percentual de CO2 Foi constatado o que nós ciclistas tínhamos certeza: a ideia de bem estar e interação influenciam no meio ambiente pois os ciclistas relatam sensações de bem estar no deslocamento, ou seja, menos estress, insegurança e desconforto.
Também no item meio ambiente, percebemos que 9% da viagem poderiam ser pedaladas e se isso acontecesse, nós teríamos uma redução de 18% do CO² na cidade. Os ciclistas atuais na cidade deixa de emitir 1% atualmente.

Saúde

Economia do SUS Em relação a Saúde, podemos dizer que a população regularmente ativa, diminui os gastos com o SUS. Infelizmente, não temos alguns dados importantes como uso de medicamentos, então os estudos foram baseados no DATASUS com informações sobre internações.
Sendo assim, estima-se que haveria uma queda de 19% no total de gastos no SUS com internações referente ao aparelho circulatório ou diabetes Isso representa uma economia próximo a 8 (oito) milhões de reais.

Economia

economia por pessoaSobre a economia, quando a classe C/D adota a bicicleta nos deslocamentos cicláveis (até 8km)e facilmente cicláveis (até 5km) , geram uma economina equivalente a 15% do salário mínimo. Somando esse valor por 12 meses, teríamos algo como um pouco mais de um salário mínimo por ano.
Ainda no item economia, se as pessoas fizessem os trajetos cicláveis de bicicleta, a pessoa geraria uma economia de 13 min por dia o que representa 43 dias em um ano.

 

Mas por que as pessoas não utilizam a bicicleta?

Metade dos entrevistados, disseram não estarem dispostos a não usar bicicleta na cidade, em compensação, 37% dizem que sim, poderiam adotar a bicicleta se tivessem infraestrutura para isso.

61% dos que não estão dispostos a usar a bicicleta, ou não tem nada a argumentar, ou apenas não gosta ou apenas tem medo.

economia de tempo

Esperamos que a ampla divulgação dessa pesquisa, faça com que nós sociedade civil e o poder público repensemos o uso da cidade e da bicicleta como meio de transporte.
Abaixo o link para o estudo completo.

https://cebrap.org.br/impacto-social-do-uso-da-bicicleta-no-rio-de-janeiro/